Eu Sou o Número Quatro

four
Lançado em 2011, “Eu Sou o Número Quatro” é uma história com bastante aventura e que aborda o não muito explorado tema de alienígenas. Embora caia em muitos clichês e conte com pouca imprevisibilidade, o livro consegue acertar em alguns elementos e entrega ao gênero infanto-juvenil mais uma narrativa leve e divertida.
four
Título: Eu Sou o Número Quatro
Título original: I Am Number Four
Autor: Pittacus Lore
Ano: 2011 (no Brasil)
Páginas
: 352

Editora: Intrínseca
Comprar: Submarino | Saraiva | Americanas | Extra | Amazon
A história se passa na terra e narra a trajetória dos Lorienos, um povo alienígena do planeta de Lorien que se refugia aqui depois que seu planeta natal foi destruído pelos repugnantes Mogadorianos. Nove gardes conseguiram escapar do planeta antes de sua destruição, estes acompanhados por seus cêpans, uma espécie de protetores que os guiam e fazem de tudo para protegê-los. Estes gardes foram enumerados de um a nove e todos desenvolvem legados (poderes) durante a puberdade, entre eles as habilidades de ficar invisível, controlar o clima, falar com animais, controlar as coisas com a força da mente, e muitos outros fariam o Professor Xavier ficar orgulhoso.
Neste primeiro livro da saga, a história é totalmente focada no número Quatro, ou John Smith, nome que ele adotou em sua nova identidade falsa. Ele e seu cêpan Henri vivem se mudando para tentar fugir dos Mogadorianos, até que eles chegam à cidade de Paradise, em Ohio, e John se apega ao local, se apaixonando pela bela Sarah e tendo pela primeira vez um melhor amigo, Sam. A partir daí, número Quatro precisa tomar cuidado com a exposição, pois qualquer coisa pode entregar seu paradeiro aos Mogadorianos e colocar a sua vida e a de todos que ele ama em risco.
“Nove de nós vieram para cá. Somos parecidos com vocês. Falamos como vocês. Vivemos entre vocês. Mas não somos vocês. Temos poderes com os quais vocês só podem sonhar. Somos mais fortes e mais rápidos que qualquer coisa que já viram. Somos os super-heróis que vocês idolatram nos filmes, mas somos reais”.
Eu Sou o Número Quatro” segue a mesma fórmula genérica encontrada em muitos outros livros. O protagonista é um herói predestinado a fazer algo grande, que encontra obstáculos em sua jornada e entra num relacionamento amoroso que não pode acontecer. Sim, a narrativa conta com vários clichês ao decorrer das páginas, como o famoso romance melado que é imposto goela abaixo do leitor. Como se isso não bastasse, boa parte dos personagens são rasos e não mostram quase nenhuma personalidade até as últimas páginas. Sarah não passa da moçinha indefesa, Sam é o nerd que sofre bullying na escola, Mark é o esportista encrenqueiro da escola, Quatro é o herói teimoso e turrão, porém ainda demonstra um pouco de personalidade por ser um cara que não atura desaforo, diferentemente de outros protagonistas de sagas. Por fim temos Bernie Kosar, um dos melhores – se não o melhor – personagem do livro, que na verdade não passa de um “cachorro”. Felizmente isso não prejudica muito a narrativa, que é toda bem desenvolvida e amarrada.
A história conta com um ritmo que fluí bem e de forma leve, sendo que boa parte dela se mantém calma, mostrando o treinamento de Quatro, suas relações estabelecidas na escola, e o ápice é atingido nas últimas quarenta páginas, onde a ação acontece de forma desenfreada e somos introduzidos a uma personagem carismática e que promete ter muito destaque nos próximos livros. Pittacus Lore consegue desenvolver cenas de ação bastante empolgantes, embora algumas delas sejam confusas e dificultem para o leitor entender tudo o que está acontecendo ao mesmo tempo. Com a ação no ápice, o livro – que seguia uma narrativa bastante previsível – consegue entregar algumas boas reviravoltas e cenas com bastante emoção. 
O desfecho satisfatório que deixa um gancho para a sequência mostra que as histórias dos Legados de Lorien são bastante promissoras. Com um melhor trabalho nos personagens e em suas personalidades, a saga pode conseguir destaque em meio à safra de infanto-juvenis que estão no mercado atualmente. Por enquanto, “Eu Sou Número Quatro” não passa de uma história divertida e descontraída, com boas doses de ação e aventura.
Postar um comentário
Obrigado pelo seu comentário